sábado, 13 de julho de 2013

...DOU-ME CONTA DE TI... PRESSA...









                          Num intenso verde, suave colar-te
                          à esperança... de num imenso abraço...ter-te...

                                                        E sem medo, desta urgência
                                                que me faz pressa
                                           nesta ânsia impressa
                                      na sede dos dias de ausência...

                     Espero beber-te... Pele... Desassossego
                            este sem medo... Todo...E sem pressa...
                                  Quem sabe num dia, que o tempo não meça
                                       o poder olhar-te.... Assim... Para sempre... 



                                                              Rz






9 comentários:

  1. Um poema para ser lido sem pressa e com

    a certeza da sua eternidade,diante da beleza

    avassaladora e única...

    Belíssimo!!!

    Adorei,amigo.

    ResponderEliminar
  2. Um horizonte ausente
    impresso na linha de um verso
    Uma ausência premente
    em encarnado desassossego

    O poeta sempre anseia o que não alcança

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Se pressa há em que o tempo corra para o tão desejado encontro, há no encontro a esperança de que o tempo, piedoso, abandone a pressa... pare... Testemunho passivo do sentido eterno que, nesse encontro, vê nascer pela primeira vez...

    Maravilhoso!
    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Um encontro, um olhar, um cheiro, um toque... momentos únicos que devem ser vividos!
    A pressa?! Essa inimiga da perfeição, deverá ficar bem longe dos corações que batem ao sabor de um momento...

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Fernanda Cardoso,
    Um delicioso desassossego da alma, a pressa do amor beber matando a sede em pequenos goles..."Sem PRESSA"
    Sorvendo a magia espelhada na esperança dum olhar

    Um belíssimo momento poético…!

    Um beijo imenso poeta e amigo querido :)

    ResponderEliminar
  6. "O poeta faz-se vidente por meio de um longo, imenso e refletido desregramento de todos os sentidos. Todas as formas de amor, de sentimento, de loucura; ele procura por si proprio, ele esgota nele todos os venenos, para só guardar as quintessências." - Arthur Rimbaud

    Esta citação de "A.R" é perfeita para o poeta, neste poema que atingirá, certamente, o plano da eternidade. Um poema redondo que é um dos mais belos cantos à ausencia, que conheço. De uma intensidade que faz sentir ao leitor a ansia, numa pressa vertiginosa, pondo-nos a torcer pelo fim dessa ausencia.
    Provavelmente, fazendo jus à finura de alma dos verdadeiros poetas, nós, os comuns e de si distantes mortais, jamais conheceremos a alma que inspirou este diamante, a musa. Mas, seja ela quem for, bendigo o Ser que, de si poeta, fez nascer este pedaço de céu.

    E como sempre na sua escolha dos adereços, musica e imagem, aumentam a profundidade, como uma camera de ecos

    Um beijo Rzorpa, muito obrigada!!!!

    ResponderEliminar
  7. Será que existe "para sempre" mesmo que seja em um belo momento poético...
    Abraço poeta... de além mar

    ResponderEliminar
  8. Ai se todas as pressas fossem assim... (Estragarias a máxima que diz que a pressa é inimiga da perfeição!)
    Lindo Rui!
    Beijinho grande em ti!

    ResponderEliminar
  9. Sem pressa bebo cada palavra de encanto e desassossego e, sem medo,
    não resisto e registo:

    "Num intenso verde, suave colar-te
    à esperança... de num imenso abraço...ter-te..."

    ResponderEliminar