terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Será amor, diz quem ama...










Serão porventura mil
as cores, vida agrura
de esperança e dor vil
no vencer calor da luta


Derrama-se um brasil fulgor
desse olhar, sabor anil....
Será  amor, diz quem ama
no clamor,  águas de abril

Num tocar-doce a pele eriça
enquanto ao beijo a boca cede
Pula o grito, que a sede bebe
foge a dor, que o amor atiça

Nascem luas-cheias de mel
em ternuras de sol poente
dançam línguas, céu da boca
anéis lume em cume ardente 

Crescentes cavalos à solta
galopam chuvas em tropel
Valsas rodopiam gaivotas
não importa o fim nem o fel                                                   

Porventura... mais de mil
vozes bradam  aos céus
Seria esperança, a dor vil
cuidasse deus... dos seus!

Como amar-te febril
a cada odio, uma flor
Ao diabo, as diabruras
às dores... águas mil...






Rz

1 comentário:

  1. Li,reli sem conseguir destacar na profusão dos sentimentos o mais belo...Te abraço poeta de além mar

    ResponderEliminar