domingo, 26 de outubro de 2014

UM DIA... VOAREI....









Como cheguei, sem ruido ou aviso
sem pedido, lágrima ou escolha
sei que, sem volta... um dia partirei...

Encantado pássaro, que cantando voa
extinguindo-me longe, passado serei...

De mim restará, como eco que soa
o acorde rimado, do amor que deixei....

E como sombra, que horizonte se esbate
...seguirei sempre,  eu sei...
Ainda que de leve, a falta me mate
ainda que longe.... de tudo o que sonhei...






terça-feira, 17 de setembro de 2013

SEI...










No hálito fremente das luzes

sei-me dançando um dia
uma melodia que não me lembre...
                              Sei de ti... Que não esquecerei
             sei da melodia que não me lembro
                               que noite dentro, um dia...
                  Dançaremos juntos... Eu sei...





Rz

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

**





 HÁ UM CHÃO 
QUE DE MIM FOGE... 
QUANDO O AMOR  
COMIGO DANÇA...






No olhar onde fundo me perco
Há um laço, que abraço me lança...
Indomável onda, de brasas me cerco
Nessa alma, que inquieta me canta...

É no verso, desse mar que avanço
...Que ardo... no mesmo passo que danço...
Alardo chama, incêndio me faço
Abraço, velejo, entre vagas... balanço...

É dia, é noite... nesse vira e mexe...
Nessa dança que o vira não cansa
Nesse mexe, que sem aviso cresce...

E é lá... onde mãos nem chão, preciso
Nesse tecido que em mim se tece
Que valso...paixão navego...perdido...





Rz







sábado, 13 de julho de 2013

...DOU-ME CONTA DE TI... PRESSA...









                          Num intenso verde, suave colar-te
                          à esperança... de num imenso abraço...ter-te...

                                                        E sem medo, desta urgência
                                                que me faz pressa
                                           nesta ânsia impressa
                                      na sede dos dias de ausência...

                     Espero beber-te... Pele... Desassossego
                            este sem medo... Todo...E sem pressa...
                                  Quem sabe num dia, que o tempo não meça
                                       o poder olhar-te.... Assim... Para sempre... 



                                                              Rz






quarta-feira, 26 de junho de 2013

ASSIM, NUM JEITO SIMPLES...








Se bastar um olhar  
Que a outro se abrace 

               Um sorriso 
               Que largo, o beijo peça…


                                 Se for pressa, esse feitiço …

                                 De um certo jeito de beijar… …
                                 Uma certa urgência de amar… 
                                 Um cego vício, fragrância 
                                 Desejo pele, possuir…

                                            Então, paciência… 
                                          …Eu vou ter de ir…



                                                            Como um rio que novo nasce

                                                                           Num jeito louco de amar

                                                                            Num jeito simples de ser...
                                                                            



                                       Talvez porque... sim
                                       O paraíso no inferno
                                       Amar... seja assim...


                                                                O amor para se viver
                                                                               A dor para chorar...

                                                                               E tudo o resto seja
                                                                               Aquilo, que deus quiser...





                                                                                                                    Rz








segunda-feira, 17 de junho de 2013

...INERTE É O TEMPO...








...EM QUE O SONHO... 
                                   
                                           ...LEVITA...




... No sonho que contigo sonho...?...

no leito em que meu peito se deita
um - chega-te a mim - sem receio...
Uma unção... de perfumes feita
um tocar, como boca... suave beijo...

Nesse peito, que leito me abraça
mora um desejo fecundo de mim
que amiúde me ajeita... desvelo laça...
De um jeito, que meu peito...
...se deita e ama... sem acordar no fim...

Um quê de eterno...quase etéreo...
...Permanece... como que... levita...



Rz




segunda-feira, 3 de junho de 2013

SEM LICENÇA X











 Não digo não
(E agora tu, minha querida Suzete... 
Sabes, estive muito indeciso, sobre a escolha do poema para colocar aqui. Tu és, de facto, uma escritora riquíssima e inspiradora. Mas és, sobretudo pelo que te revelas enquanto escreves, um ser Humano imenso. Desde o primeiro dia, que toquei o teu talento, tenho essa percepção, que segue... em crescendo. Um ser humano inteiro, lúcido e cheio de coisas para serem escutadas. E este belíssimo poema, entre muitos outros, oferece-nos pistas, para as razões desta percepção. Crê-me um enorme admirador, encantado sempre pela tua expressão... na forma, conteúdo e... SER!)
                                           
                                       


                              Não digo não
                                    

                 ao silêncio que arruma o pensamento



                 às palavras acompanhadas de sentimento



                que guarda o essencial do momento



                             na certeza do mistério
                                           
                                    íntimo do ser...





                                  Não digo não



                                      à solidão



                                         dona do meu nariz



                                                       que respira



                                             liberdade... 





                                 Não digo não



                                     quando as lágrimas em rio



                                    inscrevem memórias



                                      de fotos preto e branco



                                           de dias envelhecidos...





                                Não digo não



                        à vida preenchida dos seus enigmas



                                do quase certo



                                e do tudo errado



                                    a cada passo



                                 respirado na serenidade



                               de quem não tem pressa



                                  e se encontra de passagem



                                nessa viagem



                                           Vida...





                            Na dúvida



                                  não ultrapasso.



                            Aguardo



                                  o exato tempo



                             da espera...



                          A pressa destrói



                             a lucidez da serenidade



                         do caminhar à certeza



                            onde



                                ficamos



                                    sossegadamente



                         à vontade...



















quarta-feira, 22 de maio de 2013

SEM LICENÇA IX











MADRUGA-ME A SEDE

(É este Maria, o poder rubro da palavra, que te faz íngreme. É deste eriçado manto desassossego, que bule com a consciência da inconsciente levitação do espanto. Nesse olhar que sobre as coisas tens, sobre o que sentes, dizes... mantém-se permanente, o encanto...que me chega sempre...)


ás vezes madruga-me a sede

subo menina à cama
enquanto a tua voz canta
trago da tua pele sinais
pássaros em gomos declarando sol
acabou o café
o frio regressa ao cair das horas
entardece
as palavras são crepúsculo
à hora em que toca o sino
guardamos o som da água
na homilia do cinema 
o pátio é de pedra
onde a lua nos consola a boca
o mel renasce-me nos poros
onde a grande tarefa é respirar desertos
adornados de usura onde só tu me sabes
" a noite outrora não tinha céu
o dia não tinha chão"
agora
o amor é o catre das artérias
palpitando no sexo
samba em que me cedo
cravo na terra mordendo cego
instante a gemer entre paredes
aqui - violo no orgasmo a paz
roubo o silêncio das noites
com os olhos abertos para dentro
o alfabeto dos homens na água das mulheres
o limo a contornar a nuca
a cidade no bico dos seios embalsamada
o verão na luxuria dos livros
e o tempo a fio no que dizes
eu
digo-te coisas naturais
tu fazes escapulir peixes em cardumes
na rua  dobrada no vapor da boca
onde eu chego
mesmo quando parto









PINTURAS: MARIA ANDERSEN






(Escritora e Artista plástica)








sexta-feira, 19 de abril de 2013

SEM LIÇENÇA VIII










um dia diferente...

(Cecília?

Imagino-te sempre, despertando entre o pôr e o nascer do sol, no vigor das luzes ténues...Revelas-te na beleza das sombras intocáveis, na luz vaga do amor pungente, constante surpresa... 
Dos perfumes, dos sabores e dos braços quentes, com a irresistível forma alma que incondicional ama, é frequente deixar-me ir nessa luz... que te traz difusa e especialmente bela, sempre, na forma e jeito insondável, com que te revela os movimentos...
Não sei, ainda hoje, como fazer passar o tempo sem te beber amiúde, sentindo-te ,nessa tua arte... MAIOR... nesse teu jeito de me manter desperto... nesse teu... ECO DO SILÊNCIO) 




Era um dia diferente
Quente, excessivamente húmido
Invadido por uma brisa que quase queimava
Os ocres eram mais intensos
Ouvia-se um piano
Sim, acordes possantes dum piano
As folhas caíam, como caem todos os dias de outono
Mas naquele dia era diferente
Talvez caíssem mais lentamente
Como o silêncio que se fazia sentir naquela tarde
Respirava-se volúpia em cada poro
Talvez fosse isso…
Percebeu-se quando os pássaros esvoaçaram em bando
O piano tocava
E o ar quente desvendava silhuetas embriagadas
Unas
E o piano tocava imponentemente
E o desejo gritava da terra
Da cama
Do restolho
E os olhares bebiam-se na pele
E o gemido do piano
E as folhas dos plátanos
E o êxtase da paixão
Era um dia diferente, quente
E o toque
E o desabrochar extasiado dos aromas
E à volta, não acontecia nada
E tudo acontecia num só tempo, ali, naquele instante
E as peles queimavam-se em toques levíssimos
E os pássaros esvoaçavam em bando
E as bocas silenciavam palavras
Os lábios humedeciam os corpos
Era um dia de outono, diferente
Excessivamente húmido
Ardentemente exaltado
E o piano tocava
E as bocas beijavam-se
E as sombras incendiavam
E os corpos deixavam-se morrer, lentamente
Ébrios
Jaziam na paixão esventrada
Voluptuosa
Em silêncio, sem tempo
Era um dia diferente…